terça-feira, outubro 09, 2007

A chatice dos finais infelizes

ou Prémio "o melhor é criar as criancinhas em reservas, como se faz aos índios"

"Associação de pais quer queimar livros infantis que não tenham finais felizes
Uma associação de pais britânicos organizou uma «Fogueira de Maus Livros», onde se queimarão livros infantis que não tenham finais felizes, noticiou a agência Ansa.


A «Happy Ending Foundation» considera que a vida já tem demasiadas amarguras e, por essa razão, deverá proteger as crianças contra as histórias mais tristes.
Na semana do Livro Infantil, que terá início nesta segunda-feira, a associação enviou missivas para bibliotecas e escolas, convidando os responsáveis a retirarem os livros «controversos» das suas estantes.
As reacções foram na maioria negativas - para alguns, estas atitudes fazem recordar os nazis, que queimavam os livros de que não gostavam.
A fundadora da associação, Adrienne Small, decidiu criara e entidade em 2000, quando a sua filha se sentiu deprimida depois de ler um livro da série de Lemony Snicket.
A associação conta com membros de todo o país."

Tirado do Sol (o jornal, claro...) os links hoje não funcionam.

6 comentários:

Catarina disse...

Terão estes papás pensado na carga de trabalhos em que se meteram? O que é um final feliz? O final da Branca de Neve é feliz para a dita cuja, mas os anõezinhos perderam a empregada doméstica - terão eles ficado felizes? E a madrasta? Será que a madrasta ficou feliz? E o Capuchinho Vermelho? É que a piquena e a avó safam-se com ligeiras escoriações, mas o lobo - que é uma alimária em perigo de extinção - é barbaramente assassinado! E podíamos ficar aqui até p'rá semana a desfiar casos ambíguos! É uma tarefa de Hércules!

3t disse...

Ray Bradbury e o seu "Farenheit..." tinha razão. A Inquisição anda por aí.
Hoje os finais felizes, amanhã...?

Catarina disse...

E, ainda que mal pergunte, a depressão da criança deveu-se ao livro ou à mãe?

Mazinha disse...

Suspeito que é com a mãezinha...

Filipe Tourais disse...

No outro dia fiquei perplexo ao ouvir a filhita de uma amiga a cantar o "Sebastião come tudo tudo tudo". Na nova versão atraumática termina com "chega a casa e dá beijinhos na mulher".

Mazinha disse...

ah... a modernidade! lol